Eleições Europeias

terça-feira, maio 27, 2014
Foi mais um dia de eleições. Por cá, o que é que aprendemos que já não sabíamos antes? Não muito. Apenas que o partido maioritário, a Abstenção, continua a ganhar. E também que é uma boa altura para que qualquer pessoa diferente dos do costume (desta vez foi o Marinho Pinto) consegue facilmente levar o voto do protesto. Não estou sequer a dizer se é um voto justo ou não, mas pelos vistos é uma boa altura para aparecer e conseguir qualquer coisa.

Às vezes pergunto-me como seriam os resultados se em vez de 65% de abstenção, tivéssemos  uns 5%. Será continuavam sempre a ganhar os mesmo? Será que a nossa vida melhoraria? Gostava mesmo de saber.

Mas importante nem foi o que se passou aqui, mas lá fora. Países como França, onde a extrema-direita conseguiu vencer, passam uma ideia de um país em ebulição e se isto se continua a alastrar pode vir a gerar graves problemas. Além da extrema direita, vários partidos anti-UE também estiveram em destaque. E se recuássemos 30 anos na Europa agora? A verdade é que somos uma "União", mas sinceramente, o racismo e a xenofobia estão demasiado enraizados na Europa.


3 comentários:

  1. Eu juro que até evito pensar no caso da França e companhia. É tão assustador... Parece um início de filme repetido que eu gostava que fosse só História...

    ResponderEliminar
  2. Eu fiz parte da abstenção, não porque queria mas sim porque não podia votar fora da minha freguesia na qual não estava. Queria ter votado! Porque raio é que não facilitam estes casos?
    Já pensaste que desses 65% fazem parte pessoas como a minha família inteira (pais, tios, tias, primos....) que imigraram? Pessoas que nem querem ouvir falar do governo e de política porque foram esses que os expulsaram do país?
    Ok, são uma percentagem desses 65% e os outros? Os outros abstiveram-se... É triste.

    ResponderEliminar
  3. Sim, é mesmo preocupante, e por vezes não se tem a noção que está é a altura ideal para florear partidos radicais. Note-se que a segunda guerra mundial, foi após a grande depressão dos anos 30... e começaram por minorias, de certeza...

    ResponderEliminar